segunda-feira, 30 de novembro de 2015

A casa vai cair!

BTG pode ter pago 45 mi a Cunha para mudar emenda.
Anotação apreendida pela Procuradoria-Geral da República aponta que o banco BTG Pactual pagou R$ 45 milhões ao deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), hoje presidente da Câmara, para ver interesse do banco de André Esteves atendido em uma emenda provisória.


O texto foi encontrado por policiais federais na casa de Diogo Ferreira, chefe de gabinete do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), e preso com ele na quarta-feira passada (25) no escopo da Operação Lava Jato. Ele está descrito no pedido da PGR para manter o assessor e Esteves presos por tempo indeterminado –o que foi aceito pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo, neste domingo (29). A anotação faz parte de um conjunto de papéis que, na avaliação dos investigadores, constituía um roteiro de ação de Delcídio junto a ministros do Superior Tribunal de Justiça e do Supremo para tentar soltar o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, também preso pela Lava Jato. No verso, há um escrito com a referência ao BTG. A PGR não deixa claro se é uma anotação manuscrita.

"Em troca de uma emenda à medida provisória nº 608, o BTG Pactual, proprietário da massa falida do banco Bamerindus, o qual estava interessado em utilizar os créditos fiscais de tal massa, pagou ao deputado federal Eduardo Cunha a quantia de 45 milhões de reais", diz o texto.

O papel diz ainda que teriam participado da operação Carlos Fonseca, executivo do BTG Pactual, em conjunto com uma outra pessoa chamada Milton Lira.

"Esse valor também possuía como destinatário outros parlamentares do PMDB. Depois que tudo deu certo, Milton Lira fez um jantar pra festejar", prossegue o texto, que diz que Cunha e Esteves participaram desse jantar.

Apesar de citar esse documento no pedido de prisão, o procurador-geral da República Rodrigo Janot não faz referências sobre seu mérito nem diz se o fato relatado está sendo investigado também. Essa MP, aprovada no Congresso em 2013, trata de operações bancárias. Um artigo dela pode ter beneficiado diretamente o BTG Pactual. O BTG havia comprado o antigo banco Bamerindus em janeiro de 2013 por R$ 418 milhões. O maior ativo do banco que sofreu intervenção em 1997 e estava em liquidação extrajudicial eram seus créditos tributários, cerca de R$ 1,5 bilhão, o que permitiu ao BTG reduzir os impostos a pagar. Em março de 2013, o governo publicou a MP, que tratava de créditos tributários registrados na contabilidade dos bancos, para adaptar o sistema financeiro às regras mais rígidas internacionais após a crise de 2008.

A MP recebeu 28 emendas logo no início de sua tramitação, quando foi analisada por uma comissão mista. Pelos registros disponíveis eletronicamente, Cunha apresentou duas sugestões. A primeira, um "jabuti" que acabava com a obrigatoriedade do exame da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). Já a segunda retirava do projeto o artigo que tratava dos créditos tributários de banco em processo de falência ou em liquidação extrajudicial, como o Bamerindus. Ambas foram rejeitadas pela comissão. Não é a primeira vez em que o nome de Cunha surge no contexto de tramitações sob suspeita. Ele é alvo de uma denúncia na Lava Jato que o acusa de ter usado requerimentos em uma comissão da Câmara para pressionar a empresa Mitsui a retomar o pagamento de propina.

Ele rejeita ligação com o requerimento, feito nominalmente por uma aliada sua do PMDB-RJ.

O BTG também é acusado, na delação premiada do ex-diretor Nestor Cerveró, de ter pagado propina em um negócio da BR Distribuidora, ligada à Petrobras.


BUMLAI

A PGR recebeu informações da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba sobre negócios do banco BTG sob suspeitas, que também serviram para embasar o pedido de prisão preventiva.

Dentre eles estão questões envolvendo o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Lula preso na semana passada pela Operação Lava Jato.

Segundo o Ministério Público Federal em Curitiba, a Receita Federal considerou "suspeita" a aquisição por uma empresa do grupo BTG, por R$ 195 milhões, uma fazenda dos filhos de Bumlai. O BTG também participou, em 2012, de uma "reestruturação financeira frustrada" de uma empresa dos filhos do pecuarista, repassando crédito à empresa, como já revelado pela Folha.



OUTRO LADO

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), considerou "absurdo" o papel ligando seu nome ao recebimento de dinheiro por parte do BTG Pactual para alterar uma medida provisória de interesse do banco.

*Fonte: Folha

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

A cura do câncer pode estar quase chegando!

Os testes para comprovar a eficácia da fosfoetanolamina sintética, substância que teria suposta capacidade de curar o câncer, devem ser realizados em cinco hospitais da rede estadual de São Paulo, com a participação de até mil pacientes na pesquisa, segundo o secretário estadual da Saúde, David Uip.

Os detalhes sobre o trabalho, que será encabeçado pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), foram apresentados após o governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciar que ofereceria a rede hospitalar e os laboratórios do Estado para a realização de testes clínicos.

- A decisão é que vamos fazer um trabalho multicêntrico envolvendo centros e hospitais de oncologia que tenham expertise em pesquisa clínica. Pesquisadores estão desenhando esse trabalho que será apresentado nas comissões de ética dos hospitais selecionados. Quando aprovado, começará a pesquisa — explica Uip. Além do Icesp, está prevista a participação do Hospital do Câncer de Jaú.

No começo de novembro, a Justiça paulista cassou centenas de liminares que obrigavam a Universidade de São Paulo (USP) a fornecer pílulas da droga a doentes.

Autorização

O secretário informou que, paralelamente à elaboração dos padrões da pesquisa, será solicitada a autorização do responsável pela substância, o professor aposentado Gilberto Chierice, do Instituto de Química da USP em São Carlos, e da própria universidade, pois a droga é patenteada.

O número de pessoas que devem participar dos testes também já foi estabelecido, de acordo com Uip, mas os critérios de escolha ainda não foram definidos.

— Os critérios de inclusão e exclusão serão feitos dentro do desenho que ainda não está pronto. A ideia inicial é de que vários braços (da doença) serão pesquisados, como câncer de pulmão, de bexiga, leucemia. Provavelmente, serão sete braços — afirmou o secretário.

Anvisa

Uip não detalhou o pedido que o governador fará à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) por uma autorização especial para que alguns pacientes façam uso da substância antes da realização dos testes.

— Ainda temos de estudar como fazer. Vou conversar com o governador. ê um detalhe técnico. Temos de saber como será, porque o uso é individualizado, analisado paciente por paciente — disse.


A fórmula ainda não foi testada em humanos e não tem autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária para ser distribuída como um medicamento comum. Uip disse que o objetivo do Estado é oferecer suporte para a realização da pesquisa.

— Sou professor de Medicina e pesquisador. Então, defendo a pesquisa clínica. Vamos fazer uma pesquisa nos moldes daquilo que há de mais refinado na área — concluiu.

Na terça-feira, a revista científica Nature publicou em seu editorial um texto condenando o uso da droga e classificou a distribuição da substância como um risco por "oferecer falsas esperanças e por afastar os pacientes de outras vias mais promissoras".

Fonte: ZH Vida

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Bill Gates: Só o socialismo pode salvar o planeta!

O homem que mais beneficiou a economia capitalista deixou claro a sua incapacidade de lidar com a questão mais premente do nosso tempo: a mudança climática. Em uma entrevista a The Atlantic, o magnata da Microsoft argumentou: "o setor privado em geral é inepto, incapaz como uma ferramenta para gerenciar mudanças catastróficas do nosso clima que ameaçam a vida na terra.

Gates argumenta que os governos têm o papel fundamental a desempenhar no desenvolvimento de tecnologias para um mundo sustentável, principalmente por meio de um forte investimento em pesquisa e desenvolvimento. Ele argumenta que, feito isso, deve ser papel das empresas privadas pagar os custos de implantação dessas tecnologias - prometendo US $ 2 bilhões de seu próprio patrimônio líquido de US$ 79,2 bilhões para para financiar a implantação desses projetos.

Então, por que não podemos confiar no setor privado para investir nas coisas certas no momento certo? Gates, argumenta:

"Bem, não há nenhuma fortuna para ser feita.""Sim, o governo tem sido um pouco incapaz". "Mas o setor privado em geral é inepto para tomar a frente num projeto de tal envergadura. 

Os fatores que levam uma empresa com fins lucrativos a investir são diferentes daqueles do estado. A mudança climática é uma área em que seria um investimento ilógico do ponto de vista corporativo, mas onde o Estado tem um papel claro e lógico.

Quando The Atlantic fez ver a Gates que o grande obstáculo no desenvolvimento de uma resolução impulsionada pelo Estado é a natureza da política dos EUA. Em primeiro lugar, as duas casas do legislativo são controladas pelos republicanos que acham que que a questão da mudança climática é um discurso socialista e segundo, que não há um consenso de que a mudança climática exista mesmo. Gates tem uma visão diferente sobre o problema:

" Às vezes a democracia representativa é um problema."Há momentos em que não se pode permitir que " um estado de espírito público mal informado" possa impedir o Estado de tomar medidas sobre os riscos cientificamente comprovado que irão atingir a todos. Este é um desses momentos, argumenta Gates."

Bill Gates não está argumentando que não há lugar para o capitalismo no mundo, mas que só o socialismo pode salvar o planeta. Qualquer um que esteja disposto a ignorar a importância deste argumento, especialmente de um dos homens mais ricos do mundo, está cometendo um grave erro.



quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Samarco engavetou plano de alerta

Um plano para monitorar 24 horas as barragens da Samarco e alertar os moradores de Mariana (MG) em situações de emergência foi encomendado pela mineradora em 2009, seis anos antes do rompimento que devastou a região e provocou um desastre ambiental que já chegou ao litoral do Espírito Santo.

Mas ele acabou sendo engavetado –segundo a empresa responsável pelo documento, devido à crise econômica.

A falta de um plano de contingência adequado é apontada como um dos agravantes da tragédia, que deixou ao menos oito mortos (11 pessoas ainda estão desaparecidas e quatro corpos aguardam identificação), além de ter destruído a fauna e a flora na passagem do "tsunami de lama".

Conforme a Folha revelou no sábado (21), os planos de emergência entregues pela mineradora aos governos federal e de Minas não previam estratégia para avisar moradores de Bento Rodrigues, em Mariana, na hipótese de rompimento das barragens, em desacordo com a legislação.

A consultoria RTI (Rescue Training International), que atua há mais de 30 anos com programas de segurança e que tem sede em Bragança Paulista (SP), revelou, porém, ter sido contratada pela Samarco em 2009 para preparar uma estratégia que serviria para todas as suas barragens.

A existência desse plano completo –que não foi posto em prática pela mineradora que pertence à Vale e à BHP– foi revelada nesta terça (24) pelo jornal "Estado de Minas".

O diretor da empresa, Randal Fonseca, disse à Folha que a estratégia apresentada à Samarco previa monitoramento permanente das estruturas por meio de telemetria (processamento e transmissão de dados a distância) e visitas diárias de funcionários.

Após as avaliações, um comitê técnico teria de se reunir mensalmente para emitir relatórios e planejar simulações de situações de emergência com moradores da região e com funcionários.

Todos os avisos de emergência seriam feitos por uma central de telecomunicações.

Fonseca afirma ainda que esse plano previa estudos que levassem em conta a quantidade de rejeitos acumulados para que fosse possível construir diques que freassem a lama em caso de rupturas.

"Quando se constrói uma barragem, se constrói uma emergência. Tenho que monitorar as comunidades próximas, saber se tem gestante, se tem cadeirante. Tenho que saber de tudo minuto a minuto."

De acordo com Fonseca, as ações não foram cumpridas porque "alegaram que estavam com problema da crise". "O plano foi parar na gaveta."

Questionada, a Samarco não comentou sobre por que deixou de implantar esse plano completo para casos de emergência. Disse apenas que teve seus planos aprovados por órgãos de fiscalização.

Em 2012, de acordo com Fonseca, a Samarco voltou a contratar a RTI para desenvolver um Centro de Telecomunicações de Emergências Médicas, para atender os funcionários em risco operacional, mas não as comunidades vizinhas das barragens.

Questionado sobre os custos para pôr esse plano em ação, ele disse que cláusulas do contrato impedem informar os valores. "Não tenho como estimar de pronto quanto custaria. Mas posso asseverar que não representa décimos de milésimos do que está custando lidar com os efeitos, sem considerar aquilo que custará a recuperação em dezenas de anos."

Segundo ele, os planos que costumam ser apresentados pelas mineradoras aos órgãos de fiscalização não seguem padrões internacionais e são feitos para "cumprir tabela".

*Fonte: Folha de São Paulo

terça-feira, 24 de novembro de 2015

As 25 maiores invenções de 2015


     Share21         

2015 está chegando ao fim. Junto do fim do ano, chega a lista da revista TIME com as principais invenções do ano. São 25 novos produtos que foram revelados ou chegaram ao mercado durante os últimos meses, e que impressionaram mais.
Abaixo está a lista, com um destaque especial para os itens tecnolóigicos:

“Hoverboard”: apesar de não ter nada a ver com o hoverboard de “De Volta Para o Futuro”, o veículo individual motorizado lembra um pouco o famigerado Segway, mas sem as alças. O item tem se popularizado para substituir as caminhadas em países como os Estados Unidos.

Reprodução
Parque subterrâneo em Nova York
Sensor que detecta glúten: Por US$ 200, o Nima Sensor alivia a tensão dos muitos que não podem ou não gostariam de comer alimentos com glúten. O aparelhinho começa a ser distribuído no ano que vem. Em apenas dois minutos ele consegue detectar glúten em qualquer comida ou bebida.

Um “filtro sonoro”: o Here Active Listening parece um fone de ouvido, mas na verdade ele é ideal para ambientes barulhentos. Conectado a um aplicativo no celular, ele permite que o usuário bloqueie algumas frequências sonoras e escute apenas as outras. Ou então bloqueie todas de uma vez.

Eko Core: um estetoscópio conectado que produz dados que podem ser verificados no smartphone

HoloLens: os óculos de realidade aumentada da Microsoft já foram bastante divulgados ao longo do ano. Ele permite interagir com objetos virtuais (os “hologramas”) no mundo real por meio das lentes do HoloLens.

Reprodução
Supermacarrão: o Banza Chickpea Pasta é um tipo de macarrão com o dobro de proteína, o quádruplo de fibras, menos carboidratos e zero glúten.

Juno: um pequeno computador capaz de amplificar (criar múltiplas cópias) em apenas três horas em vez de um dia inteiro.

Star Apartments em Los Angeles: uma nova forma de dar casas aos desabrigados.
O caminhão transparente: desenvolvido pela Samsung, ele usa uma tela que permite ao motorista de trás ver a situação do trânsito à frente do caminhão, permitindo uma ultrapassagem com mais segurança.

Sproutling: a nova geração do monitor de bebês. O sensor monitora a saúde da criança em tempo real e notifica por meio de um aplicativo no celular caso haja alguma coisa de errado acontecendo.

Droneportos: Ruanda já se prepara para a era dos drones com a construção de aeroportos específicos para este tipo de veículo aéreo não-tripulado. O projeto deve ajudar a levar suprimentos para as regiões rurais do país e deve valer a partir de 2016.
Thinx, a lingerie à prova de menstruação

Colchões Casper: A empresa traz uma nova proposta para colchões, com apenas um modelo, preços claros e vendas online, com uma mistura de espumas para dar mais conforto.

iPad Pro: outro produto que já é bastante famoso. O tablet foi recém-lançado pela Apple e deve ser uma ferramenta importante para designers e profissionais criativos em geral.
Reprodução
Tênis amarráveis com uma mão: a Nike lançou o Flyease 8, que pode ser amarrado e desamarrado com apenas uma mão. A inspiração veio de uma criança de um jovem com paralisia cerebral que escreveu uma carta detalhando seu sonho de “ir para a universidade sem se preocupar em ter alguém para amarrar meus tênis todo dia”.

Pantelligent, a panela inteligente: com Bluetooth e sensores de calor, a panela dá instruções ao cozinheiro sobre como preparar determinado prato e, por exemplo, quando é hora de virar o bife.

The Drinkable Book, um livro que filtra água: ele trata a água e mata 99% das bactérias perigosas.

O aspirador do oceano: o Ocean Cleanup Project é um projeto que leva uma barragem flutuante ao Oceano Pacífico que usa as correntes marítimas para limpar o lixo dos mares.

Tzoa, o detector pessoal de poluição: o dispositivo avalia a qualidade do ar na área próxima ao aparelho. Os dados são enviados para instituições que monitoram a poluição para que eles tenham uma dimensão mais precisa de áreas mais problemáticas.

Hackaball, a bola que ensina a programar: Nunca se propagou tanto a ideia de que as crianças precisam programar, e a Hackaball é mais um retrato disso. O brinquedo se conecta a um aplicativo de celular que permite que o usuário programe seu comportamento e veja o resultado no mundo real. Uma das aplicações permitiu que as crianças programassem a bola para mudar de cor em intervalos randômicos para usá-la em um jogo de batata quente.

Reprodução
Google Cardboard: parece um pedaço de papelão, mas é um projeto que permite que a realidade virtual seja acessível até mesmo para pessoas pobres. Basta ter um pedaço de papelão, as lentes corretas e habilidade para montagem. Várias empresas já vendem o pacote pronto por um preço baixo.

Reprodução
Artiphon, o superinstrumento musical: O dispositivo é capaz de emular 12 instrumentos musicais diferentes, permitindo uma grande diversidade de usos.

Tesla Model X: o último carro elétrico da Tesla Motors traz tudo de mais avançado na área automotiva, inclusive um modo que dirige sozinho nas ruas, embora a empresa não recomende que o usuário tire as mãos do volante. São mais de 400 quilômetros de autonomia com apenas uma carga de bateria.

CogniToy, o brinquedo que conversa com a criança: o CogniToy Dino parece um brinquedo comum, mas em vez de ter algumas frases pré-programadas, ele usa o supercomputador Watson, da IBM, para entender o que a criança fala e desenvolver uma resposta adequada.

*Fonte: Olhar Digital

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Escorpiões em Bragança

Na noite do dia 20/11/15, atravessei a rua Alfeu Grimelo (rua dos barzinhos do Lago do Taboão), da margem do lago para a outra, na altura dos banheiros públicos, quando, de repente, minha namorada me empurrou para o lado! Ela logo me apontou o perigo que eu nem havia percebido, e foi como se os anjos da cidade estivessem me mostrando: Um escorpião no chão!


Nem mesmo eu, que já passei dias em fazendas e andei até pelo Pantanal, já tinha visto um escorpião! Vi “ali” pela primeira vez. Apesar do espanto, pisei na criatura antes dela entrar por um buraco no chão e ficasse então oferendo riscos a qualquer um que passasse por perto. Enquanto isso, uma garota junto a algumas pessoas estava chorando em pânico quando um deles veio a mim dizendo que aquele escorpião havia picado a garota que chorava! Eles correram e a levaram ao hospital prontamente.


A garota se chama Larissa Gabrielly, 11 anos, moradora do bairro do cruzeiro. Ela foi levada ao hospital da USF e lá foi-lhe ministrado remédio via oral, injeção no local da picada e realizado um eletro. Ela relata que sentiu muita dor e teve febre, mas após os cuidados do hospital ficou melhor com apenas um formigamento e inchaço no local.


Eu mencionei “anjos da cidade”, pois através disso eu comecei a investigar e percebi algo seríssimo: BRAGANÇA PAULISTA ESTÁ CHEIA DE ESCORPIÕES! – Dezenas de pessoas passaram a comentar que viram aqui e ali, algumas fotografaram, outras até capturaram. Há casos registrados em vários bairros. Fica aqui aberta uma denúncia para a Divisão de Vigilância Epidemiológica (DIVE) que é uma das divisões da secretaria de saúde, comandada por Grazielle Bertolini. Vamos cobrar atitude das pessoas certas, dos lugares certos.


Seguem os outros casos semelhantes que vieram ao meu conhecimento, todos registrados em meus dados inbox em rede social:


Thais Maynara – Relata ter visto escorpião na subida da balança, próximo a um poste onde existe um bueiro bem em frente. Ela sempre passa por ali com sua filha para a levar e buscar na escola.


Gislaine Siqueira de Oliveira – Mora no Jd. São José e já encontrou a criatura três vezes em sua residência. Tem muito medo, pois tem uma filha de apenas quatro anos.


Daniel Almeida – Mora na Rua 21 de Abril, Matadouro, e relata que já apareceu no quintal de sua mãe (Elenice) quando a mesma quase foi picada.


Marina Saukas – Moradora da Rua Conrado Stefani, Matadouro, relata que em sua rua existe um terreno baldio onde sempre contrataram terceiros para limpar, pois já foi encontrado até cobras venenosas no local. Em sua casa, diz que aparecem, além de escorpiões, aranhas enormes.


Ana Paula Dib – Segundo ela, a criatura está por todos os lados, até na empresa em que trabalha.


Marina Arantes – Relata ter ouvido comentários que a criatura foi vista em um ônibus que faz a linha do Curitibanos.


Maria Inês Chiarion Zecchini – Relata que sempre ouve de amigas do centro da cidade encontrarem que escorpiões saíram do ralo de suas residências.


Glaucia Leme – Diz que na rodoviária velha sempre se encontra a criatura nos bancos externos.


Secretaria da saúde de Bragança Paulista, mais precisamente a Divisão de Vigilância Epidemiológica (DIVE); através dos relatos aqui mencionados e do flagrante feito por minha pessoa, registro aqui uma solicitação de caráter urgente para vistoria e prevenção desse perigo em nossa cidade. Estarei ansiosamente aguardando um posicionamento de vocês quanto a esse assunto e seguirei noticiando com pleno afinco o desenrolar desse fato. Bragança precisa ser protegida!






- Por Adrian Mcoy

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Confederação Brasileira de Letras e Artes recebe o seu primeiro bragantino

A noite de sábado do dia 26/09/2015 fora marcada por um marco na história da cultura de Bragança Paulista. O escritor Adrian Mcoy foi empossado como acadêmico da confederação por indicação da artista plástica Juliana Tortorelli, sendo a mesma a sua madrinha dentre a familia “CONBLA”, e apadrinhado também por Erivaldo Santos Acchabare, membro que porta a posição de “Conde” entre os demais.

O mérito se deu devido ao trabalho literário do escritor que conta com centenas de textos e poemas, peças teatrais e até um livro já publicado e intitulado como “O Doce das Sombras”, e também por seu trabalho como fotógrafo artístico onde conta com um reconhecimento internacional por se utilizar de uma técnica ímpar em edição de imagens e uma exímia noção de ângulo. – O trabalho literário do escritor pode ser conferido em seu blog, sua arte em fotografia em seu site profissional, ambos citados dentro dessa matéria. - O escritor já fazia parte da ASES (Associação dos Escritores de Bragança Paulista), por onde participou do lançamento de um livro da entidade, uma antologia com textos e poemas de vários autores.

A confederação foi criada para promover a união e integração de artistas brasileiros, bem como, trabalhar para o bem comum da classe, independente de qual setor, meio ou nível cultural formalizado. Ydenir Machado é o presidente, o qual comandou o evento de posse e entrega de honrarias. E para compor a mesa real, junto a ele estava o ilustre “Percival de Souza”, o famoso ícone do programa “Cidade Alerta”, sendo ele também escritor e jornalista investigativo.

A noite foi marcada por homenagens, condecorações, música e todo o requinte da majestosa “Maison Baccarat”, o palácio dos cristais na cidade de São Paulo.

Um cinema em Bragança

Bragança Paulista
A carência de um cinema e a luta por seu retorno


Nascido em Mauá, na grande São Paulo, o empresário Silvio Gutierris Brittis, inaugurou seu primeiro cinema na cidade de Machado, interior de Minas Gerais, em 12 de novembro de 2004. Assim, nascia o Cine Art Café.

Com o objetivo de proporcionar aos seus clientes muito mais que diversão, a primeira sala de cinema da empresa foi inaugurada no Machado Shopping, no qual buscava oferecer serviços que fossem além da exibição de filmes, tornando-se rapidamente ponto de encontro cultural na cidade. Com seus propósitos bem direcionados, a empresa iniciou sua trajetória de expansão.

Como Cine ArtCafé, números significativos foram alcançados e em pouco mais de um ano, a empresa multiplicou suas salas em 350%, consolidando-se no mercado cinematográfico.

Com seu crescimento, a empresa passou a chamar-se Rede Cine A, tornando-se a maior exibidora do sul de Minas Gerais. Atualmente, conta com 12 unidades localizadas em 12 cidades distintas, que englobam o Leste Paulista e o Pará. São 20 salas,
100% digitais com o melhor da tecnologia
3D, som Dolby Digital e 10 anos de mercado.

O Cine Bragança era o único cinema que havia na cidade até o ano de 2008. O cinema faliu! As facilidades da Internet e a pirataria conseguiram reduzir o público drasticamente, além de que o formato do empreendimento era do tipo “teatro”, grande demais para um funcionamento prolongado na cidade. Desde então os bragantinos nunca mais tiveram um cinema.

Depois de muita revolta, protestos e reclamações, aconteceu que em meados de 2014 o escritor “Adrian Mcoy” fez uma postagem no Facebook criticando uma cidade do tamanho de Bragança Paulista não ter sequer um cinema! A postagem obteve grande repercussão, refletindo com isso a sincera revolta dos cidadãos, e em meio as muitas respostas uma delas foi de Mayara Csizmar dizendo que conhecia o empreendedor de uma grande rede de cinemas, o qual não estava conseguindo abrir uma unidade pela região por falta de espaço e colaboração.

Foi nesse momento que entrou em cena Rafael de Oliveira perguntando a jovem quem seria o tal empreendedor. Feito! Mayara passou o contato de Silvio Gutierres, o proprietário da Rede Cine A, já citado nessa, e assim marcaram uma reunião junto ao prefeito da cidade, o qual entrou em contato com Josué Eraldo da Silva, proprietário da construtora Jacitara que, por sua vez, disponibilizou três salas de seu empreendimento, o Euroville Office Premium, para a construção da nova unidade da rede Cine A.

Agora a população de Bragança Paulista irá contar com três modernas salas: tecnologia 3D, Bomboniere de alto padrão, som Dolby Digital, além de poltronas modernas e confortáveis. Tudo para proporcionar muito mais que diversão.

Ética na política


*Por Rodrigo Pires Pimentel (Advogado)


O escândalo da “Lava Jato” e seus respectivos desdobramentos vem surpreendendo os cidadãos brasileiros na medida em que revelam falcatruas relacionadas ao financiamento privado de campanhas como parte de um esquema que envolve um conluio entre grandes empresas e o atual governo.

Sem adentrar ao mérito de toda essa sorte de imoralidades, nota-se, seguramente, a inexistência de ética para se chegar ao “Poder” e, sobretudo, na Administração Pública, quando nele se instala.

Nesse atual cenário de democracia, torna-se possível questionar os objetivos, as ações e a finalidade da administração pública, oportunidade em que a sociedade exige cada vez mais, como seu direito, uma nova ética, uma nova forma de administrar, com mais responsabilidade e transparência; um Estado com mais agilidade, eficiência e eficácia.

Penso, no entanto, que isso tudo é resultado da falta de preparo dos candidatos e futuros agentes políticos para as funções dos cargos disputados na eleição. Faz-se, nitidamente, das eleições uma competição cujo troféu garantido pelo sucesso nas urnas é a posse no cargo almejado.

Contudo, ao tomar posse, seja do cargo de Prefeito, Governador, Presidente da República, Deputado, federal ou estadual, vereador, consequentemente sobrevêm às atribuições e responsabilidades inerentes as funções dos respectivos cargos, tudo sob o manto da transparência como exigência legal.

Ocorre, porém, que a efetivação da transparência, espontânea ou por meio de intervenção judicial (a exemplo da “Lava Jato”), causa, inevitavelmente, perplexidade da população e até mesmo a comoção social; todavia, não se pode esquecer que todos os agentes políticos que detêm mandato, em nosso ordenamento jurídico, são escolhidos livremente pela população por meio da eleição.

Logo, é imperativo que a população exerça seu direito de votar com a máxima responsabilidade, selecionando seus candidatos de acordo com seu curriculum, com sua vida pregressa sob a análise de suas próprias ações.

Concluindo, na atual conjuntura, é necessário que cada um tenha em si o compromisso com o “nós” e, jamais com o eu.